maior parte dos fragmentos é fruto de explosões

maior parte dos fragmentos é fruto de explosões

Nas ltimas dcadas, a humanidade acumulou uma enorme quantidade de lixo no apenas na Terra, mas tambm no espao. De acordo com um relatrio divulgado no fim de setembro pela Agncia Espacial Europeia (ESA), existem mais de 130 milhes de objetos despedaados na rbita terrestre, isso sem contar os foguetes e satlites inteiros que vagam sem utilizao.

Exploses em rbita

Um dos riscos mais mencionados quando se fala do acmulo de lixo espacial que, eventualmente, os objetos antigos e inteis abandonados em rbita podem colidir com satlites em funcionamento, causando prejuzo e gerando ainda mais fragmentos de detrito.

Nesse aspecto, poderamos citar as inmeras vezes em que a Estao Espacial Internacional (ISS) teve de manobrar para evitar colises. A ltima foi h poucas semanas.

Entretanto, o relatrio da ESA revela que choques entre objetos no so os principais responsveis pela existncia de tantos fragmentos minsculos de lixo no espao – na verdade, eles respondem por apenas 0,83% dos casos.

“A maior causa para o problema atual de detritos so as exploses em rbita, causadas por sobras de energia [combustvel e baterias] das espaonaves e foguetes”, explica Holger Krag, chefe do Programa de Segurana Espacial da ESA.

De fato, pode se afirmar que a rbita terrestre um ambiente bastante “explosivo”. O estrago causado pelas sobras de combustvel representa 32,23% dos eventos de fragmentao no espao, segundo o relatrio.

Reprodu

Espao tem mais de 130 milhes de fragmentos de lixo espacial.Imagem: Johan Swanepoel/Shutterstock

Foguetes descartveis

Para entender o problema, preciso voltar algumas dcadas no tempo. A partir de 1957, o espao tornou-se a linha de chegada de uma intensa corrida entre Estados Unidos e Rssia, duas naes que desejavam demonstrar poder por meio de seus programas espaciais.

A disputa foi se atenuando com o passar do tempo, mas o interesse pelo espao nunca acabou (felizmente). Nas dcadas seguintes, cada vez mais pases entraram no ramo da explorao espacial, enviando satlites, sondas, telescpios e os prprios componentes da ISS.

claro que o interesse por entender o universo deve ser celebrado. O problema que, para deixar a Terra, cada elemento dessa corrida teve de ser lanado por um foguete, veculos que foram deixados deriva no espao assim que entregaram suas cargas.

Somente nos ltimos anos comeou a se investir em foguetes reutilizveis, ou seja, capazes de retornar intactos base de lanamento depois de suas misses. Nesse aspecto, quem se destaca a SpaceX, que conduz experimentos interessantes com o Falcon 9.

Reprodu

Estao Espacial Internacional tem de manobrar frequentemente para evitar colises. Imagem: Nasa

Por outro lado, a mesma empresa fonte de preocupao. Isso porque o espao est repleto de satlites inutilizados, tambm, e a companhia de Elon Musk planeja enviar uma constelao com milhares de novos objetos at o fim desta dcada.

“O aumento acelerado de satlites lanados na rbita baixa da Terra totalmente visvel em nosso ltimo relatrio”, afirmou Tim Florer, chefe do Escritrio de Detritos Espaciais da ESA. “Para continuar a se beneficiar da cincia, vital que alcancemos uma melhor conformidade com as diretrizes essenciais para o uso sustentvel do espao”.

Atualmente, a ESA trabalha para encontrar e sugerir solues. Uma delas um projeto encomendado pela agncia para tentar coletar detritos espaciais, com testes previstos para 2025. A organizao tambm est desenvolvendo tecnologias para automatizar as manobras que evitam colises, um esforo para que os controladores humanos deixem de precisar rastrear cada pea de equipamento ou satlite desativado em rbita.

“Os detritos espaciais representam um problema para o meio ambiente prximo Terra em escala global, para o qual todas as naes que exploram o espao tm contribudo”, conclui a agncia, “e para o qual apenas uma soluo com suporte global pode ser a resposta”.

Via: Science Alert


Satlites espao foguete agncia espacial europeia Cincia&Espao lixo espacial satlite

GarotoProdigio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *