Os engenhosos tutus de balé criados para dançar em tempos de distanciamento social

Os engenhosos tutus de balé criados para dançar em tempos de distanciamento social

Dois homens de máscaras em tutus gigantes dançam em um palco

Legenda da foto,

Tanto as mulheres como os homens da companhia Birmingham Royal Ballet usam máscaras e os novos tutus

O aclamado dançarino e coreógrafo cubano Carlos Acosta, que já foi a estrela principal do Royal Ballet de Londres, retorna ao palco com um programa de balé habilmente elaborado para respeitar as restrições impostas pela pandemia do coronavírus.

Com seu novo espetáculo Lazuli Sky (céu lápis-lazúli) a companhia de balé dirigida pelo cubano, Birmingham Royal Ballet, não só se apresentará para um pequeno público, como os bailarinos usarão trajes que os permitirão cumprir as regras de distanciamento social.

Legenda da foto,

Os bailarinos ensaiam em pequenos grupos, usando máscaras

A novidade na vestimenta dos bailarinos são as adaptações que fizeram dos tutus — o corpete com saia de várias camadas usadas por bailarinas clássicas — que têm uma circunferência muito mais ampla para manter os dançarinos separados entre si.

Legenda da foto,

O Ballet Nacional dos Países Baixos também incorporou tutus gigantes

“Quando começamos (a criar a coreografia), queríamos ter uma apresentação em que ninguém se tocasse. Os bailarinos usam essas estruturas alongadas, que não são estáticas, mas estão em constante movimento, criando formas diferentes e evocando a imaginação”, explica Acosta.

GarotoProdigio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *